Trem-Bala (Ana Vilela)

Esta canção é uma das coisas mais singelas que já tive a privilégio de ouvir e lembra-nos o quanto de beleza pode habitar na simplicidade.

“Não é sobre chegar no topo do mundo e saber que venceu, é sobre escalar e saber que o caminho te fortaleceu.”

 

Forte abraço,

 

Marcelo Mello

Anúncios

Construindo inferências a partir de modelos mentais pré-estabelecidos

Um homem quer pendurar um quadro. Ele tem um prego, mas nenhum martelo. O vizinho tem um, portanto nosso homem decide pedir emprestado. Mas então uma dúvida lhe ocorre. “E se o vizinho não quiser me emprestar? Ontem ele mal acenou com a cabeça quando o saudei. Possivelmente, ele estava com pressa. Mas possivelmente fingia estar com pressa porque não gosta de mim. E por que ele poderia não gostar de mim? Eu sempre fui gentil com ele; obviamente, ele imaginava algo. Se alguém quisesse pedir alguma de minhas ferramentas emprestada, eu naturalmente emprestaria. Então, por que ele não quer emprestar-me seu martelo? Como alguém pode recusar uma solicitação tão simples? Pessoas como ele realmente envenenam a vida dos outros. Ele provavelmente até imagina que depende dele apenas porque ele tem um martelo. Eu lhe direi poucas e boas.” E, assim, nosso homem vai ao apartamento do vizinho e toca a campainha. O vizinho abre a porta, mas, antes que ele possa até dizer “Bom dia”, nosso homem começa a gritar: “Pode ficar com seu maldito martelo, que eu não preciso dele, seu idiota!”

Citação do filósofo Paul Watzlawick, extraída do livro Teoria U de C. Otto Scharmer

Para refletir: A partir de onde se origina nossa ação? Desde onde fazemos o que fazemos?

Abraço,

Marcelo Mello

20 anos sem Ayrton Senna do Brasil…

Amigos,

ontem, 01/05/2014, passei boa parte do dia assistindo a vídeos e lendo diversos textos sobre a vida e os feitos de Ayrton Senna. Foi minha forma simples e sincera de homenagear aquele que, sem dúvida alguma, foi o herói da minha juventude e que há exatos 20 anos morreu fazendo o que mais amava no circuito de Ímola (Itália).

Para mim, não há dúvida alguma que Ayrton foi o maior piloto de F1 de todos os tempos e não tenho receio de dizer que, diante do que a categoria se tornou (com excessivo uso de recursos tecnológicos e de regras chatas pra caramba), não haverá outro nem próximo do que ele foi.

Sinto muito falta do Senna e de tudo o que ele nos proporcionava naquelas manhãs de domingo, mas a vida me ensinou que por mais saudade que sintamos, infelizmente, não dá para voltar no tempo.

Ayrton Senna foi embora muito cedo, contudo, para além da profunda tristeza de sua ausência, ele nos deixou um legado de feitos extraordinários que fizeram dele um mito e um referencial de disciplina, dedicação, superação e profissionalismo.

Hoje o Instituto Ayrton Senna, idealizado por ele e materializado por sua família, ajuda a melhorar a educação de aproximadamente 2 milhões de alunos em mais de 1300 cidades brasileiras. Queira Deus que estas crianças se desenvolvam plenamente, tenham oportunidades e, assim, tornem-se profissionais competentes, cidadãos atuantes e pessoas felizes. Queira Deus que sejam um pouco Ayrton Senna…

Ayrton Senna

Abraço,

 

Marcelo Mello

House

Caros amigos,

Ontem comemorei meu 34. aniversário e um dos presentes que recebi de minha amada esposa foi um box com todas as oito temporadas do seriado House.

House

Sou super fã desta que considero a melhor série dramática já produzida, e nem preciso dizer que fiquei extremamente feliz com o presente. Na minha opinião, o que fez com que House se tornasse um sucesso de crítica e audiência foi a complexidade e a profundidade de seu personagem principal, brilhantemente interpretado pelo ator britânico Hugh Laurie.

Vou assistir novamente (com o maior prazer) todos os 176 episódios desta fantástica série, relembrando e me divertindo com as ideias, conflitos e dilemas do médico mais controverso da TV.

Abraço,

Marcelo Mello

Perdas

Amigos,

há duas semanas eu e minha família fomos derrotados em uma enorme batalha, e junto com essa batalha perdemos muito mais. Foi embora o sorriso doce, a preocupação por vezes excessiva (própria de quem ama e cuida), a presença constante e aquela mão calejada de tanto trabalhar.

Ficamos sem a voz já cansada, mas sempre pronta para dar um conselho, a atitude firme e aquele comportamento teimoso, não raro acompanhado de uma insistência típica de quem não tem lá muita paciência para esperar.

Perdemos o chão, ficamos sem rumo e sem acreditar direito no que havia ocorrido!

Como consolo restou-nos a crença de que as dores e angústias humanas, que tanto a afligiram, agora já não a alcançam mais e que, de onde ela estiver, continuará a olhar por todos nós com o amor e o cuidado que sempre nos deu.

A música abaixo, do Padre Fábio de Melo, me parece expressar bem o momento que estamos vivendo e espero que também possa nos indicar o caminho para superarmos a dor e o vazio que se instalaram em nossos corações.

Como dizia o sábio escritor José Saramago, “o pior da morte é que antes estavas e agora já não estás mais…”.

Está muito difícil compreendermos e aceitarmos a sua ausência minha amada avó…

Marcelo Mello, saudoso neto de Benedita Alves.

Vivendo as mudanças

Caros amigos,

durante todo o tempo em que tenho utilizado este blog como um espaço de aprendizagem, compartilhamento de informações e fomento à criação de conhecimentos, em várias oportunidades mencionei a mudança como um aspecto sempre presente e de crescente importância, seja no contexto organizacional, seja no domínio pessoal.

Vivemos uma época ímpar da história, em que praticamente nada é estático ou permanente. Tudo está sendo sempre alterado, renovado, reorganizado, reinventado, evoluído, enfim, tudo muda, e muda em um ritmo quase alucinante. E neste ambiente em constante mutação, entendo que podemos adotar basicamente três posturas bem distintas: a resistência, a adaptação ou a liderança.

A resistência tem por característica principal o medo de se deixar para trás uma situação ou estrutura conhecida. Resistir, em muitos casos, parece ser a reação mais natural diante de uma situação de mudança, como que em um ato de preservação daquilo que já está conquistado e estabelecido, afinal, muitos acreditam que não é prudente trocar o “certo” pelo “duvidoso”. Contudo, a efervescência do mundo atual trás consigo uma tal carga de desafios, pessoais, profissionais e comunitários, para os quais a adoção de uma postura de resistência pode nos tornar incapazes de fazer frente. A resistência cega e indiscriminada às mudanças tende a nos tornar profissionais inefetivos, cidadãos alienados e pessoas infelizes.

Já a postura de adaptação requer uma destacada capacidade de resiliência, bem como uma abertura para o constante aprendizado. Adaptar-se não se restringe à mera aceitação do novo, mas demanda o desenvolvimento de outras competências, mais adequadas aos novos contextos e estruturas. Aliás, é fundamental ressaltar que a aprendizagem é, ao mesmo tempo, causa e consequência dos processos de mudança. Mudamos em função daquilo que aprendemos e podemos aprender muito com as mudanças que vivenciamos.

Por fim, uma postura de liderança em relação à mudança está relacionada à capacidade de influir no rumo dos acontecimentos, por meio da identificação de possibilidades de ação, da criação de novas possibilidades, da tomada de decisões e, sobretudo, da realização de ações, seja de forma individual, seja de forma coordenada como outros indivíduos.

Liderar o processo de mudança requer o exercício pleno do papel de protagonista de nossa história, o qual é indissociável da responsabilidade pela efetiva observação (e reflexão) dos fatos e consequente execução de ações em resposta a eles. Trata-se de um ciclo contínuo que tem por objetivo influir e guiar os processos de mudança na direção que julgamos ser a mais adequada.

Contudo, é bastante salutar a lembrança de que a vida é uma complexa teia de cenários e possibilidades, na qual as decisões não se limitam a escolhas simples e opções estanques. Me parece claro que no curso de nossas vidas, acabemos por lançar mão de todas as posturas acima, bem como de um mix delas. O que devemos ter em mente é a necessidade de uma constante reflexão sobre a postura que temos adotado diante das situações e os resultados que temos obtido com essa forma de agir.

Grande abraço,

Marcelo Mello

P.S.: escrevo este post em meio a um significativo processo de mudança pessoal. Depois de 10 anos vivendo em Brasília (DF) estou me mudando com minha família para Curitiba (PR). Acredito que tal mudança seja resultado das possibilidades que criamos e das ações que realizamos, e espero que possamos explorar plenamente as oportunidades de aprendizado e evolução que surgirão como resultado desse processo.