Metamanagement – O principal inimigo do aprendizado

Olá pessoal,

lendo o livro “Metamanagement” de Fredy Kofman, me deparei com outro trecho precioso, o qual faço questão de  compartilhar com vocês. Trata-se de uma citação à obra de Carlos Castañeda, “Las enseñanzas de don Juan”, trabalho antropológico sobre o xamã tolteca Don Juan, na qual o autor fala sobre o que ele considera ser o principal inimigo do aprendizado: o medo.

“Quando um homem empreende o caminho do aprendizado, não tem claros seus objetivos. Seu propósito é fraco, sua intenção é vaga. Sonha com recompensas que nunca se materializarão, pois nada sabe das dificuldades do aprendizado.
Lentamente começa a aprender, primeiro pouco a pouco, a grandes passos depois, e seus pensamentos logo entram em colisão. O que aprende nunca é o que esperava, ou imaginava, e assim começa a sentir medo. Aprender nunca é o que se imagina. Cada passo do aprendizado é uma nova tarefa e o medo cresce sem cessar e sem piedade. O caminho do homem que aspira ao conhecimento se transforma em um campo de batalha.
Assim, o homem deparou com o primeiro de seus inimigos naturais: o medo! Um inimigo terrível, traiçoeiro e difícil de vencer. O medo se oculta em cada curva do caminho, emboscado, esperando. E se o homem, aterrado em sua presença, se retirar, o inimigo terá conseguido pôr fim a seu aprendizado.
Que acontece com o homem que volta atrás, assustado? Nada, exceto que nunca aprenderá. Nunca se transformará em um homem de conhecimento. Talvez seja um rufião agressivo, ou talvez seja um maricas, um medroso; de todo modo, será um homem derrotado. Seu inimigo terá posto fim aos seus anseios de saber.
E que pode fazer o homem para se sobrepor ao medo? A resposta é simples: não fugir. O homem pode estar completamente assustado e ainda assim não se deter. Essa é regra. E chegará o momento em que seu inimigo se retira. O homem então se sentirá seguro de si mesmo, sua intenção se fará mais forte e o aprendizado já não será um trabalho aterrador.”

Carlos Castañeda em seu trabalho antropológico “Las enseñanzas de don Juan“,

citado por Fredy Kofman em seu livro “Metamanagement”, volume I, págs. 198 e 199.

Espero que vocês também tenham apreciado do trecho acima. Desejo que todos nós possamos fazer de nossas vidas um constante e excelente aprendizado.

Grande abraço,

Marcelo Mello

Anúncios

Metamanagement – a nova tarefa do líder

“Nós, seres humanos, fomos feitos para aprender. Viemos ao mundo animados por um insaciável impulso de explorar e experimentar. Um bebê tem todas as aptidões necessárias para, no seu devido tempo, caminhar, falar e dominar os segredos de empilhar oito blocos de um jogo sem deixá-los cair. Infelizmente, as instituições educativas de nossa sociedade se orientam mais para o controle do que para o aprendizado; elas recompensam os indivíduos por trabalharem de acordo com a inspiração alheia e não por cultivarem sua natural curiosidade e desejo de saber. O menino que ingressa na escola descobre rapidamente que tudo se resume em dar respostas precisas e evitar erros; o mandato não é menos compulsivo para gerentes com aspirações. (…) É uma ironia que, por determinarem que o trabalho está sujeito [ao controle unilateral e] à aprovação de algum outro, as corporações façam nascer as condições que as predestinam a um desempenho medíocre”.

Peter Senge em seu artigo “A nova tarefa do líder”,

citado por Fredy Kofman em seu livro “Metamanagement”, volume I, págs. 309 e 310.

Metamanagement – A necessidade de se olhar para o interior das pessoas

“Primeiro, deves ser uma boa pessoa e ter um forte senso de identidade. Imediatamente depois, todas as forças do mundo se tranformam em ferramentas para os teus propósitos. Em seguida, elas deixam de ser forças causadoras, determinantes e formadoras e se convertem em instrumentos que utilizas para teus desejos. O mesmo é verdade para o dinheiro. Nas mãos de uma pessoa forte e boa, o dinheiro é uma grande bênção. Mas, nas mãos de pessoas fracas ou imaturas, o dinheiro é um terrível perigo e pode destruir a elas e a todos os que estão à sua volta. O mesmo princípio é verdadeiro para o poder, tanto sobre as coisas como sobre outras pessoas. Nas mãos de um ser humano são e amadurecido – que tenha alcançado completa humanidade – o poder, como o dinheiro ou qualquer outro instrumento, é uma grande bênção. Mas, nas mãos da pessoa imatura, viciosa ou emocionalmente enferma, o poder é um perigo terrível”.

Abraham Maslow,

citado por Fredy Kofman em seu livro “Metamanagement”, págs. 86 e 87.

Inferências

“Um homem, cujo machado tinha desaparecido, suspeitou do filho do vizinho: o garoto caminhava como ladrão, se vestia como ladrão e falava como ladrão. Mas o homem encontrou seu machado quando cavava uma fossa no vale. Na próxima vez que viu o filho do vizinho, o garoto caminhava, se vestia e falava como qualquer outro garoto”.

conto tradicional alemão

extraído do livro “Metamanagement” de Fredy Kofman